04 maio 2007

Parabéns ao Tubo d'escape

O 'Tubo' do amigo Rogério Charraz faz 2 anos. 'O tubo por onde se escapam ideias, sentimentos, citações, recomendações e desabafos'.
Para mim, pessoalmente, ele foi o começo e a continuidade de muitas coisas que hoje se tivessem de acabar, me tornaria numa pessoa mais pobre de espírito (matéria lamecha a ser aproveitada por Naia Castro).

Assim sem mais delongas: PARABÉNS ao TUBO D'ESCAPE!

Ah, e respondam ao desafio por ele lançado...

10 comentários:

Micas disse...

Parabéns bem merecidos.
Vou lá espreitar o desafio ;)
Beijinho e boa semana

Rogério disse...

Zé, não se dá os parabéns a um "perigo de confusões conceptuais...". Ou já foste contaminado?!

Eh, eh, o sol do Alentedo tem destas coisas, dá para a palhaçada...

Abraços...

salgasvelho disse...

Parabéns ao Tubo, não só pelo aniversário mas sobretudo por aquilo que "expele". E é ecológico!
Não polui.

Um abraço ao Charraz e uma inocente pergunta: onde raio fica o
Alentedo?

Rogério Charraz disse...

Ouve lá, ó Marreta, nunca te "enganastes"?! Tens a mania que és engraçado...

Anónimo disse...

Miúdos:

... No desenvolvimento da nossa conversa da treta e dando continuidade às nossas lamechas de rotina, cumpre-me felicitar o R.C. pelo aniversário do seu "Tubo d'escape".
Aproveito para enaltecer o sol quente e a temperatura agradável que se tem feito sentir ultimamente e lembro-vos que estamos prestes a entrar naquela estação do ano em que toda a gente vai de férias... E que continuaremos a trocar postais...

Zé Lopes

Anónimo disse...

Caro RC,

(OK - cedo um pouco...e vou entrar na conversa da treta) - Parabéns por dois anos de perigos conceptuais... é compreensível, aos dois anos o passo ainda não é seguro e os miudos aceitam com necessidade a mão dos pais.

Mas, parabéns essencialente pelo desafio lançado (eu vou participar, embora, à partida, esteja com ideias de participar com um ou outro texto ou poema de uma grande escritor, amigo de uma amiga minha...).

Bem, dizia eu, parabéns essencialmente pelo desafio lançado e que eu provoco ainda mais - agora vamos ver quem cresce e aparece!

(O Z.L. tem um bicho da seda e a Primavera está aí - toca a sair do casulo.... O Perdigão é que não entendo... ultimamente é mesmo só conversa da treta e já agora o "Sem Medo" não quer participar?)

Pois é, RC, vamos ver quem cresce e aparece!

Agradeço,

NC

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Rogério Charraz disse...

Caro Naia (vão-me desculpar mas as pessoas tratam-se pelos nomes e não por abreviaturas!),

Agora fora de brincadeiras, provocações ou ironias, fico muito contente que participe, seja de que forma fôr. Se mantiver o registo das suas aparições neste blog, será certamente uma colaboração interessante e diferente. E isto não é nenhum postal.

E até partilho consigo as saudades de um texto "à Perdigão". Mas sou o primeiro a entender que entre trabalho, espectáculos itinerantes, "road managing" e primeiras filas, não sobra muito tempo...

Abraços,

Rogério Charraz

Anónimo disse...

Aproveitando o silêncio do nosso querido anfitrião que ultimamente tem andado bastante atarefado (eu sou testemunha disso) e para irmos preenchendo algum espaço neste blog, lá terei que sair, uma vez mais, do casulo... Não estivessemos nós na primavera!
Permitam-me que me dirija directamente à senhora ou senhor Naia para lhe confirmar que, de algum modo, todos nós temos uma certa tendência para sair do nosso casulo, sem que isso signifique, obviamente, que nos deixemos transformar em borboletas... Com o devido respeito pelas tendências e pela diferença.
Gostava de lhe dizer (e aproveito para fazê-lo aqui) que, para uma pessoa com a formação exígua que diz ter, não está nada mal, não senhor!... Eu, às vezes por brincadeira e consciente de que não estou a prejudicar terceiros, também sou mentiroso.
Mas acredite que admiro sinceramente a forma criteriosa e ordenada como gere a arrumação dos seus sentidos e conceitos nas gavetas do seu armário! Ainda bem que aceitou o desafio de colaborar na ideia do Rogério Charraz porque o seu contributo irá ser (quase garantidamente) uma mais valia.
Soltinho, (desfardado, sem fato e gravata) e sem quaisquer formalidades...

Zé Lopes

Anónimo disse...

Sr Perdigão,

Já não tenho o fogo da juventude. Já passaram por mim muitos sentidos e a ideia de sentidos que julguei terem sido conceitos... afinal estava tudo na assimilação e a ssimilação causou-me indigestão, nos primeiros e verdes anos da juventude... agora cia-me bem e estou em forma. Encontrei-me e sei onde estão os meus sentidos. Mas Sr Perdigão não é sem um grande sorriso que procurei o que de mais lamecha se produzia em mim e além do sorriso tive uma grande gargalhada... encontrei provas anónimas de que me amaram com tanta força e tanta intensidade que me didicaram o "Pudera eu despir-te do orvalho"... claro está que já todos o perceberam... até o bicho da seda e o homem das abreviaturas que não gosta delas porque personaliza os contactos e já percebi que é demasiado afável para perceber que o nome próprio é como um beijo na boca - só se dá quando e a quem se ama! De resto apenas se faz o que se tem a fazer ... beijos só na boca de quem se trata pelo nome próprio e se inventa o diminuitivo.

Sr Perdigão veja se o poema interessa à música e se a música transmite a realidade que o pema não teve e veja se "Jamais nem que viva eternamente" produz som, que eu agrdeço,

Naia Castro.