04 setembro 2006

Santiago

Cidade da Praia, 21 de Agosto, 18:30 horas.

Tinha-mos acabado de chegar de um percurso pela ilha. O duche aliado à climatização do quarto do hotel quase que fizera esquecer o calor húmido e sofucante do dia.
Peguei no telefone e liguei o número que trouxera desde Lisboa num e-mail trocado a tres: Eu, o Rogério Charraz e aquele que seria o nosso contacto na cidade. O Pedro Pereira.

- Pedro?
- Sim...
- Fala o Zé Manel, amigo do Charraz...
- Olá amigo, tudo bem? Onde está?
- Estou na Praia, no hotel PraiaMar. Acabei de chegar duma excursão pela ilha.
- Ok. Quantos são voçês?
- Somos dois. Eu e a minha mulher, a Fátima.
- Fazemos assim: Refresquem-se, descansem um pouco. Eu passo aí para vos apanhar por volta das 19:30 horas, para jantarmos. Levo uns amigos comigo. Combinado?

Foi a nossa primeira conversa, mas já se faziam notar alguns dos aspectos da personalidade deste Portugûes da Alcântara, há cinco anos residente em Cabo Verde: Objectividade; simplicidade e gosto de bem receber.

Fomos ‘petiscar’ a uma casa onde já eram clientes habituais. Connosco, alem do Pedro, estavam as suas duas filhotas, encantadoras, e que de uma forma natural, como se fossemos velhos conhecidos se entregaram à conversa, sobretudo com a Fátima. Pouco depois chegou o Francisco, a Conceição mais a filha do casal, e a noite começou. E começou bem, com caipirinhas que regaram, entre outros piteus, uma carne sêca com feijão, que tão depressa não me voltará a passar pelo estreito.

Daqui, o que eu quero salientar, é que nenhum deles nos conhecia. Não sabiam que tipo de pessoas éramos, e desde o primeiro momento, abriram-nos as portas do seu mundo, sem falsos pudôres, de uma maneira franca e honesta. Contaram-nos os seus bons momentos mas também nos contaram os menos bons e da forma como se entreajudavam para os ultrapassar, vencendo as naturais dificuldades naquelas terras estranhas onde eram emigrantes.
Pessoas simples e serenas, com o gosto de partilhar e a arte de bem receber, e no final da noite já todos nos tratavamos por tú.
Ao Pedro, ao Francisco, á Conceição e ás três lindas meninas, os nossos enternecidos agradecimentos pelos momentos que nos proporcionaram.


Ah, é verdade, só para que conste. O Pedro Pereira é Director de Distribuição da Electra. O Francisco é Director de Um Banco. A Conceição foi representante da TAP em Cabo Verde, neste momento trabalha na Embaixada de Portugal.

2 comentários:

Uma vida qualquer disse...

Da arte de bem receber, nem o Zé nem a Fátima precisam de ensinamentos, digo eu, que já tive a sorte de o constatar.

Beijos

Rogério Charraz disse...

Espero que tenhas enviado o meu abraço ao Pedro, que não vejo há tempo demais. Qualquer dia sou eu que o vou visitar. Pelo que vejo vens com a alma cheia. Bem feito, cada um tem aquilo que aquilo que merece! Abraço grande.