03 maio 2006

És tão bonita, Mãe...


Mãe:
Queria inventar um novo alfabeto, uma nova língua, onde a palavra MÃE tivesse o significado que tu tens para mim.

Tu sabes o quão fugitivo é o verbo entre nós, tu entendes-me, eu tento não te desiludir.

Talvez seja esta a nossa maneira de conversarmos, onde faltam as palavras, onde abundam os olhares, onde aquilo que há para dizer se diz por códigos, sei lá, talvez aprendidos ainda quando me carregavas no teu ventre.
Desde muito cedo aprendi contigo a gramática dos silêncios, a morfologia das suas intensidades, a comunicação que há nos sentidos. É por isso, que quem não nos conhece, nos julga distantes, afastados, sem perceberem que a uma maior distância corresponde um maior amor.

Lembras-te quando me abriste a porta de casa, era eu um galarote, com 20 anos. Queria voar, conhecer a vida fora da tua asa protectora. E com a cabeça cheia de sonhos lá parti. Depois, depois, foram mais 20 anos, até que de novo, me abriste a porta, agora para entrar, para regressar ao teu colo e sarar as feridas. E tu mãe sempre estiveste a meu lado, sofrendo com os desgostos que te dava, exultando com os novos sonhos que me povoavam a alma.

Nunca vou ser como tu, mãe, não tenho esse dom, nem como filho, nem como pai. Mas que hei-de eu fazer? É uma tarefa difícil, amar sem o egoísmo de querermos ter o mundo nas nossas mãos. Mas até nisso tu pensaste. Deste-me um irmão, que eu adoro, e que com a sua força me torna mais forte, para te amar, e em conjunto te louvar como a Senhora das nossas vidas.
Obrigado por seres minha Mãe! Por fazeres brilhar em mim o que tenho de bom, por carregares às costas o que tenho de mau.

Mãe … que mais dizer… se esta palavra quer dizer tudo! De facto, não encontro melhor forma de falar de ti senão chamar-te, somente, MÃE.

És tão bonita, Mãe…


A todas as mães, as que estão, e as que já partiram.

3 comentários:

Rogério Charraz disse...

Quase tão bonito como a tua Mãe. Obrigado pela partilha!

Rogério Charraz

Anónimo disse...

Tão bonito como este texto, só mesmo aquele que tu tão bem conheces, intitulado "Meu Amor Eterno", escrito pelo Rogério Charraz num momento muito bonito de inspiração.
Zé Lopes

Anónimo disse...

Ter uma mãe, ter um Pai é tudo o que de mais importante pode aconteçer na vida de uma criança, mas ter um irmão como o meu...... isso eu posso dizer é o meu MAIOR ORGULHO enquanto criança que fui, enquanto homem que sou, pois não me vejo nesta minha vida sem ele. Obrigado mano.

Mano Sica